O Tratamento Global das Disfunções Respiratórias

A fisioterapia respiratória é uma das áreas da Fisioterapia cujo objetivo é proteger e recuperar a função pulmonar em pacientes com algum distúrbio respiratório, agudo ou crônico, ou em pré e pós operatório de grandes cirurgias.

Quando se fala em respiração, logo se pensa no pulmão, porém, é importante imaginarmos que "quem respira" é o nosso corpo, e para que a ação "respirar" aconteça de forma harmônica e eficiente, precisamos de uma grande atuação externa ao pulmão, nossos músculos. A respiração acontece através da descida e subida do músculo diafragma, principal músculo respiratório, e pelo movimento da caixa torácica, que se dá graças a boa atuação de outros músculos, os músculos acessórios da respiração.

Respirar bem depende diretamente de como o corpo está organizado, depende da postura e da qualidade dos movimentos. Para tratarmos o pulmão, sem dúvidas, precisamos avaliar e identificar estruturas no corpo que podem estar diretamente ligadas a essa função. Na coluna lombar, por exemplo, temos a origem do músculo diafragma em sua porção lombar (este também tem origem nas seis últimas costelas, osso esterno e inserção no centro tendíneo); nas costelas estão inseridos os escalenos, que são músculos acessórios da respiração, com origem na coluna cervical; ainda podemos citar o psoas, que não é especificamente um músculo respiratório, mas comunica a coluna ao membro inferior, portanto há uma relação direta entre posicionamento dos membros inferiores, bacia e coluna lombar com a respiração. O mesmo acontece com os membros superiores, dos quais muitos músculos possuem dupla função, participando da atividade respiratória e das atividades funcionais, concluindo que, a disposição dos membros superiores também influencia na função pulmonar.

Em resumo, a disposição ou, o "compartilhamento" comum dos músculos quanto à suas origens e inserções, bem como as "duplas funções" entre atividades respiratórias e não respiratórias, indicam que, para uma avaliação e tratamento das disfunção respiratória, se faz necessário avaliar e tratar além, cabendo ao terapeuta ter uma visão e uma abordagem global do corpo. O contrário também se faz necessário, pois muitas alterações posturais e dores crônicas possuem grande relação com doenças respiratórias prévias, como broncoespasmos, infecções respiratórias crônicas, grandes cirurgias torácicas e abdominais, etc.

Comumente, quando avaliamos um paciente com quadro de dispnéia (falta de ar), facilmente encontramos pontos dolorosos, encurtamentos musculares e estruturas ósseas colocadas em desvantagem biomecânica, tanto em relação a atividade de "respirar", quanto nas atividade funcionais, o que, além de comprometê-las, fazem estas serem mais difíceis quanto a execução, devido ao cansaço excessivo, levando o indivíduo a uma limitação nas atividades de vida diária.

Para tal, além das técnicas tradicionalmente conhecidas na fisioterapia respiratória, podemos (e deveríamos) utilizar também as técnicas da terapia manual, através de um trabalho diferenciado e global, cujo objetivo do tratamento passa a ser o indivíduo, e não somente o pulmão, sendo este um beneficiário indireto do trabalho corporal integral. A terapia manual nos faz resgatar os princípios da observação, da compreensão da função e da disfunção, do toque, da manipulação, e a partir disso, tratar o indivíduo baseado na sua individualidade e respeitando o seu funcionamento, tendo o objetivo de otimizar as funções, através das técnicas manuais.

Sendo assim, destaco que a globalidade da abordagem terapêutica é muito importante, pois melhorando a função de cada estrutura do corpo, relacionadas diretamente ou indiretamente com a respiração, e criando estratégias "confortáveis" para o mínimo gasto energético, compatíveis com a estrutura corporal individual, estamos proporcionando qualidade no movimento da caixa torácica e no diafragma, cujas posições favorecidas representam um melhor aproveitamento da função, consequentemente, diminuição do desconforto respiratório e então, melhora da qualidade de vida.

Saiba mais...