Envelhecer com saúde e segurança exige alguns cuidados simples.

Estamos diante de um processo de envelhecimento da nossa população, isso significa que estamos vivendo mais, e este aumento da expectativa de vida nos traz preocupações em relação a qualidade de vida dos nossos idosos, como as atividades voltadas a este grupo, cada vez mais evidentes e mais ofertadas, tanto para os aspectos físicos, quanto emocionais e funcionais, que além de importantes para proporcionarem ocupação e atividades que os deixem mais alegres, também os mantêm sempre ativos.

Somado a isto, há alguns cuidados simples e diários, que podem evitar as quedas, fator bastante preocupante, que pode levar desde as dores até as incapacidades, dependências totais, como os acamados, até o óbito. As vezes parecem inevitáveis, devido a todo processo que acompanha o nosso envelhicemento, desde as nossas limitações em relação a coordenação, equilíbrio e força, que naturalmente vão nos restringindo em relação a algumas atividades e reações. Porém, quando adaptamos o ambiente o qual o idoso mora e/ou frequenta, há um grande fator favorável em evitar estes transtornos.


Na imagem publicada pelo Ministério da Saúde há algumas dicas para evitar quedas:

11232118_1024647020887247_5929869835404227945_n.png

Além destas dicas, para aquelas famílias em que o idoso começa com dependência parcial ou total, acrescento um ponto que considero importante, e as vezes de dificuldade, que observo com frequencia nesse processo e na relação acompanhante/cuidador com o idoso, que é a mudança do endereço, ou seja, a transferência dele de um ambiente o qual viveu toda sua vida, e está acostumado, considera seguro e simples, onde conhece cada degrau, eu diria que de olhos fechados, para um ambiente desconhecido. Esta mudança, as vezes a primeira opção cogitada pela família, precisa ser muito bem estudada, pois para esta mudança ser positiva e bem sucedida, precisa de boa adaptação da família a qual vai receber o idoso e, preferencialmente, discutir a aceitação deste na sua nova realidade, respeitando a sua fase de aceitação e reconhecimento de que algumas mudanças se fazem necessárias. O mesmo vale para o uso de bengalas, andadores ou outros dispositivos que auxiliam na marcha, que também encontram resistência em relação ao uso. Enfim, o envelhecimento é uma fase a qual o idoso precisa aceitar suas limitações, para então se cuidar, mas também de adaptação da família a condição do idoso, e isso exige paciência, carinho e dedicação.


Vamos todos chegar lá, e enquanto isso, vamos aprendendo e também ensinando as novas gerações como devemos tratar nossos velhinhos, e como gostaríamos de ser tratados no futuro!

Saiba mais...